Prontuário Eletrônico: o que é, como funciona e 9 vantagens
Gestão de Clínicas e Consultórios Tecnologia na Medicina

Prontuário eletrônico: o que é, como funciona e 9 vantagens de usá-lo

prontuário digital

O prontuário eletrônico é uma ferramenta com muitas vantagens. Em todos os ramos, é visível a presença da tecnologia a favor das tarefas diárias. Por que seria diferente nos consultórios e clínicas médicas? Imagine todos os dados do paciente em um só lugar, a poucos cliques e sem ocupar espaço. Tudo organizado, padronizado, legível, íntegro e seguro para você e mais quem precisar deste acesso. É isso que um prontuário eletrônico do paciente (PEP) pode te oferecer.

Com um prontuário digital, no lugar de pilhas de papéis, várias pastas e de perda de tempo, você terá tudo organizado e com fácil acesso.  Como o próprio nome diz, o PEP é o prontuário do paciente, com todas as suas informações cadastrais e médicas, que contempla desde o histórico médico do paciente até tratamentos e procedimentos já realizados e medicamentos já receitados, tudo alocado e disponibilizado de forma eletrônica. Saiba mais sobre esse documento digital.

O que é prontuário eletrônico?

Antes de falarmos sobre as vantagens do prontuário digital, precisamos evidenciar do que se trata essa ferramenta. 

Um prontuário médico é a soma de todas as informações a respeito do paciente. Se bem preenchido, a qualidade, os erros e os acertos no tratamento do paciente podem ser futuramente aferidos.

Inicialmente, o prontuário era feito no papel. E ainda hoje, muitos hospitais, clínicas e consultórios mantêm esse formato.

O prontuário eletrônico do paciente, segundo o Ministério da Saúde, “é um repositório de informações mantidas de forma eletrônica, ao longo da vida de um indivíduo. Nele estão armazenadas as informações de saúde, clínicas e administrativas, originadas das ações das diversas categorias profissionais que compõem a Atenção Primária à Saúde”.

Sendo assim, o PEP é a versão digital do prontuário médico de papel.

Qual a importância do prontuário eletrônico?

O prontuário é uma peça fundamental para as instituições de saúde, de acordo com a Organização Nacional de Acreditação (ONA). Nele, são registradas todas as informações sobre a atuação dispensada ao paciente, bem como sua reação a essa atenção.

O prontuário digital é importante, pois documenta, de forma clara e concisa, todos os procedimentos a que o paciente foi submetido. Além disso, apresenta dados relativos à terapia medicamentosa adotada.

Ou seja, no prontuário eletrônico constam informações valiosas, tanto para o paciente como para o próprio médico.

O que deve constar no PEP?

O prontuário médico eletrônico pode ser feito tanto no hospital quanto em clínicas e consultórios. Ele deve conter:

  • os dados do paciente;
  • histórico familiar de saúde;
  • a anamnese;
  • a descrição e a evolução de sintomas e exames;
  • as indicações de tratamentos, prescrições, atestados e outros documentos clínicos.

De acordo com o Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS), o uso do prontuário eletrônico pode “garantir mais celeridade nas relações, otimizar o tempo dos profissionais e representar ganho de eficiência operacional e melhoria das diferentes formas de assistência ao paciente, com maior controle de agendamentos de consultas, estoques de medicamentos, disponibilidade de vagas, escalas médicas e outros”.

O prontuário digital é regulamentado pelo CFM?

prontuário eletrônico sendo consultado por uma médica, as mãos dela estão sobrepostas no laptop e há também um tablet ao lado do laptop

O Conselho Federal de Medicina (CFM), órgão que regula a atividade médica no Brasil, já percebeu que a tecnologia só tem a somar com a Saúde.

Porém, como sempre, o órgão mostra-se preocupado com a segurança dos dados e com a organização e a padronização das informações trocadas em meios eletrônicos.

Por isso, para ter um prontuário eletrônico, é necessária a utilização de certificação digital no padrão da Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira (ICP-Brasil) e de um sistema que atenda a todos os requisitos obrigatórios da certificação SBIS-CFM.

Essa certificação digital é gerida pelo Estado, de modo autônomo e auditável. Ela é cada vez mais usada como ferramenta exclusiva para acessar, enviar e receber dados, devido à segurança e à praticidade propiciadas por essa tecnologia.

Em 2007, o CFM aprovou, através da Resolução nº 1821/2007, todas as normas técnicas para a digitalização e uso de sistemas informatizados para a guarda e manuseio de prontuários, possibilitando a eliminação do papel e a adoção do prontuário eletrônico.

O prontuário do paciente é um direito

Vale destacar que o paciente ou o seu representante legal tem o direito de solicitar e receber cópia do respectivo prontuário médico.

Esse direito está previsto no Código de Ética Médica e no Código de Defesa do Consumidor. 

Portanto, nem o médico nem a instituição de saúde podem impedir que o paciente ou seu representante legal tenha acesso à cópia do prontuário médico, seja ele eletrônico ou de papel.

Confira agora outras vantagens de optar por uma versão digital ou eletrônica do prontuário.

9 vantagens do prontuário eletrônico

O prontuário eletrônico oferece diversas vantagens para gestores, pacientes e profissionais de saúde. Vamos listar algumas delas para você.

  1. Disponibilidade: prontuários eletrônicos podem ser acessados simultaneamente por diferentes profissionais que estejam em diferentes locais, sempre que desejado.
  2. Legibilidade: na tela do computador, é possível ler com facilidade, ou seja, sem esforços para entender letras ilegíveis e sem o risco de ter campos preenchidos erroneamente.
  3. Segurança: com uma rotina bem estruturada de “backups” você não perde nenhuma informação, seja qual for a situação adversa com o seu equipamento.
  4. Confidencialidade: com um prontuário eletrônico, você pode configurar o nível de acesso e modificação de cada usuário, além de controlar a todo o tempo as evoluções das informações, inclusive gerar auditoria de acessos indevidos, por exemplo.
  5. Flexibilidade: geralmente, os softwares de prontuário eletrônico permitem total customização dos prontuários pelos usuários, viabilizando que eles configurem e padronizem tudo de acordo com sua necessidade.
  6. Integração: acesso a todos os dados do paciente em um mesmo lugar. No prontuário eletrônico é possível saber onde encontrar informações, filtrar dados, gerar relatórios e exportar somente as informações que desejar.
  7. Consistência: evita dados duplicados e ambíguos. Dessa forma, existe uma menor incidência de erros.
  8. Praticidade: os prontuários de pacientes, diante da Lei Brasileira, devem ser guardados por um longo prazo, e há quem, por excesso de zelo, guarde por toda a vida. Imagine o espaço e o gasto com manutenção que isso não gera? Os prontuários eletrônicos não ocupam o espaço físico do seu estabelecimento e a consulta de dados antigos é feita de forma rápida e prática.
  9. Redução de desperdícios: por capturar informações clínicas mais detalhadas, o prontuário eletrônico tem a capacidade de medir com precisão o uso excessivo dos serviços de saúde e mostrar o contexto por uso inadequado. 

Com relação ao ponto 9, vale a pena citar que, há alguns anos, o Atrius Health, um grupo de assistência médica que oferece cuidados primários e especializados no leste do Estado de Massachusetts (Estados Unidos), realizou um estudo sobre esse assunto.

O trabalho, intitulado “Measuring Overuse With Electronic Health Records Data” (Medindo o uso excessivo com dados do Prontuário Eletrônico do Paciente), publicado na 22º edição do Boletim Científico, pretendia provar que o prontuário eletrônico poderia ajudar explorar as tendências de uso excessivo para cada serviço de baixo valor, usando a regressão logística.

Após dois anos de observação, foi concluído que a utilização do Prontuário Eletrônico do Paciente auxiliou na precisão e confiabilidade da aferição dos serviços clínicos e os fatores de risco que podem desencadear ou explicar o uso de testes e exames de baixo valor.

Como escolher um prontuário eletrônico

Ainda de acordo com o IESS, na última década surgiram diversas soluções em prontuário eletrônico e saúde digital em geral.

Porém, na hora de escolher uma ferramenta, há alguns pontos para se atentar, como: 

  • ela oferece personalização do PEP, de acordo com as necessidades da clínica; 
  • está alinhada à LGPD e demais resoluções do CFM;
  • a empresa de tecnologia responsável por fornecer a solução se adequa às resoluções dos órgãos regulamentadores e
  • a ferramenta oferece um suporte de qualidade.

Os três tipos de prontuário eletrônico

Os prontuários digitais disponíveis no mercado, hoje, são de três tipos. Um deles deve ser escolhido, de acordo com o que a clínica precisa.

Por isso é tão importante adotar um software médico que ofereça consultoria e implantação, para que a parametrização seja feita em total acordo com o dia a dia do negócio.

Os três tipos de prontuário eletrônicos são:

1 – Em servidor local

Este primeiro modelo de prontuário eletrônico faz uso de uma base local, que armazena os dados e os distribui em rede. Nesse caso, é fundamental realizar uma boa instalação de uma rede local.

O acesso a este tipo de prontuário eletrônico é offline, ou seja, sem a necessidade de conexão com a internet.

É importante lembrar que o backup dos dados deve ser feito não apenas de forma local, mas também em nuvem, para evitar problemas com possíveis perdas.

2 – Na nuvem

Neste tipo de prontuário eletrônico, a base de dados fica na internet, em nuvem. Para utilizá-lo, é preciso ter uma boa conexão com a internet, para evitar instabilidades.

Duas grandes vantagens do prontuário eletrônico na nuvem são a segurança dos dados e o fato de ele não requerer a realização de backups frequentes.

3 – Híbrido

Por fim, o prontuário eletrônico híbrido é o mais estável de todos. Ele só precisa de uma máquina, como, por exemplo, computador, notebook ou tablet, a qual irá acessar as informações de uma base virtual, ou seja, a nuvem. Assim, não se faz necessário ter um servidor ou rede local, basta o acesso à internet.

Conheça o prontuário eletrônico do ProDoctor Software

Agora que você já conhece as vantagens do prontuário digital, saiba que o ProDoctor Plus e o ProDoctor Corp contam com uma completíssima edição digital totalmente integrada à agenda de consultas e ao faturamento do profissional.

Além disso, a solução ProDoctor Cloud também disponibiliza o prontuário eletrônico, com a diferença do armazenamento na nuvem.

Veja como funciona o PEP no ProDoctor assistindo ao vídeo abaixo:

No ProDoctor, independentemente da solução escolhida, você pode customizar o atendimento com os seus próprios modelos de anamneses e evoluções ou então criar formulários com os campos desejados, utilizar os seus próprios cabeçalhos personalizados de impressos e muito mais. Vale a pena conferir!

Além de oferecer segurança e confidencialidade, a assinatura digital garante validade legal e protege você e seus pacientes.

Confira o que mais o prontuário eletrônico do ProDoctor oferece (consulte a disponibilidade das funcionalidades em cada solução):

  • Identificação completa do paciente com foto;
  • Prontuário eletrônico assinado digitalmente no padrão ICP-Brasil e de acordo com as exigências legais;
  • Impressão de pulseira e etiqueta de identificação do paciente;
  • ProDoctor Telemedicina unificado ao PEP.

Tenha tudo do paciente em um só lugar, a alguns cliques do mouse, disponível onde e quando você precisar. Entre em contato com a nossa equipe de especialistas e solicite já o seu prontuário eletrônico no ProDoctor.

Você pode se interessar por