Medicina e Saúde

Medicina Diagnóstica: tudo o que você precisa saber

o que é medicina diagnóstica

A Medicina Diagnóstica é um procedimento essencial feito a partir dos resultados de exames solicitados pelo médico com o intuito de detectar qual a doença que acomete o paciente. Dessa maneira, o profissional terá em mãos informações essenciais para esclarecer dúvidas e dar condições de fechar o diagnóstico.

É importante ressaltar que, primeiramente, o médico deverá ouvir com atenção e anotar todos os sintomas descritos pelo paciente. A partir daí, pedirá os exames que julgar necessários, como por exemplo: ultrassonografia, raio-X, densitometria óssea, eletrocardiograma, campo visual, mamografia, dentre tantos outros.

Diante da importância do tema, a ProDoctor Software elaborou este post, a fim de lhe proporcionar informações detalhadas não só em termos conceituais e históricos, mas também alertando para sua importância e sua tendência de crescimento. Principalmente, nestes tempos de Covid-19.

  • O que é Medicina Diagnóstica
  • Formação profissional
  • Origens
  • Objetivo e funcionamento da Medicina Diagnóstica
  • Perspectivas
  • Medicina Diagnóstica e Covid-19

Talvez você também possa gostar:
O que é medicina integrativa?
Inteligência artificial aplicada à Telemedicina


O que é Medicina Diagnóstica

O fundamento básico da Medicina Diagnóstica consiste na busca de exames complementares para auxiliar o profissional da Saúde no diagnóstico correto, a fim de prescrever o melhor tratamento para a enfermidade. Nesse sentido, pode ser realizadfo O procedimento da medicina diagnóstica, pode ser considerado como uma tentativa de classificação da condição de saúde de um indivíduo em categorias separadas e distintas que permitem a tomada de decisões médicas sobre tratamento e prognóstico.

Um procedimento de diagnóstico pode ser realizado por vários profissionais de saúde, não só por um médico, bem como, por exemplo, um acupunturista, fisioterapeuta ou dentista. Após a consulta inicial, o profissional analisará o estado físico do paciente para, então, solicitar os exames complementares, que podem ser laboratoriais e/ou por imagem, além das demais especialidades médicas.

Formação profissional

o que é medicina diagnóstica

Para se capacitar em Medicina Diagnóstica, o médico deverá estudar, com aulas teóricas e práticas, por um período entre um e três anos, dependendo da área que optar. Ao fazer sua escolha, terá oportunidade de conhecer de perto uma grande diversidade de patologias.

Com toda a certeza, essa escolha implica em uma maior qualidade de vida. Ou seja: ao contrário de muitos colegas que correm de uma clínica/consultório para o hospital e daí para outra unidade de saúde, terá muito menos estresse no dia a dia. Seus horários serão bem mais flexíveis, sem ter que se preocupar em fazer o cansativo revezamento de um plantão em jornadas muitas vezes desumanas.

Sua formação implica em aprender e como responder às exigências no momento do exame. E utilizando aparelhos de última geração, sempre sob a orientação dos médicos/professores mais gabaritados. Dessa forma, deve aproveitar para tirar todas as dúvidas acerca do procedimento, consolidando seu conhecimento técnico, a fim de alcançar o diagnóstico correto.

Origens

Os métodos diagnósticos começaram a ser usados já nos primórdios da Medicina. Todavia, ganhou grande impulso, no final do século XIX, quando se verificou o desenvolvimento da Química, da Fisiologia, da Fisiopatologia e do microscópio.

No Brasil, não há uma referência histórica precisa sobre a realização dos primeiros exames laboratoriais. Entretanto, vários estudiosos a data de 1892, quando se constatou no porto de Santos (SP) um foco de problemas de saúde pública. Foi quando despontou o nome do jovem médico Oswaldo Gonçalves Cruz, que submeteu os pacientes a exames e chegou ao diagnóstico de peste bubônica.

A partir de então, os exames laboratoriais foram fundamentais para o desenvolvimento da Medicina em termos de diagnósticos. Por outro lado, os exames de imagens, descobertos mais tarde, promoveram uma verdadeira revolução, cujas tendências veremos mais à frente.

Antes de mais nada, é importante relembrar: em 1895, o físico alemão Wilhelm Conrad Roentgen descobriu, de forma acidental, o que denominou Raios-X, visualizando em uma placa fotográfica a estrutura dos ossos da mão de sua esposa. Os exames por imagem surgiram no fim do século XIX e, ao longo das décadas, foram aperfeiçoados e ganharam cada vez mais tecnologia.

A Medicina acompanha cada passo da evolução tecnológica e, hoje, aproximadamente 95% das enfermidades podem ser identificadas precocemente. Dessa maneira, a prevenção tem não apenas melhorado a qualidade de vida dos pacientes, como também sido fundamental em termos de prevenção.

Objetivo e funcionamento da Medicina Diagnóstica

Quando procura um médico, o paciente já dá mostras de que precisará de um diagnóstico. Afinal, ninguém vai a um consultório à toa. Por isso, ouvi-lo com a devida atenção é o primeiro dever do médico. Anotando todas as queixas para, ao final da consulta, solicitar os exames complementares que considerar importantes, com o intuito de chegar ao diagnóstico correto.

Se acaso o médico considerar necessário, mesmo já investigando a enfermidade do paciente, poderá pedir exames em outro sentido, que possam tirar dúvidas entre uma doença e outra. Em outras palavras: não só deve, como pode pedir todos os exames capazes de solucionar dúvidas em busca do diagnóstico correto.

Conforme o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde, cerca de 20 mil instituições atuam com Serviços de Apoio à Diagnose e Terapia (SADT). Além disso, no Brasil, 10% a 15% dos 2 milhões de profissionais da área da Saúde trabalham no setor.

Em todo o País, os exames relacionados com diagnósticos oncológicos são os mais procurados. Além disso, verifica-se hoje uma grande procura por exames relacionados com o bem-estar das pessoas.

Perspectivas

Ficou para trás o tempo em que a evolução da Medicina Diagnóstica dependia totalmente da importação de tecnologia, sobretudo vinda dos Estados Unidos. Nos dias atuais, ela é realizada com alto padrão de qualidade, de maneira acentuada e plenamente consolidada.

Ao mesmo tempo, verifica-se que, na busca incessante para acompanhar o lançamento de novos e sofisticados equipamentos tecnológicos, agora existe uma procura pelos que apresentam maior eficiência. Além disso, outros dois pontos são analisados com rigor: que atendam as necessidades de utilização e o preço.

Por fim, é importante ressaltar a relação da Medicina Diagnóstica com os benefícios proporcionados pela Inteligência Artificial (IA), cuja tecnologia utiliza algoritmos e armazena um enorme volume de informações estratégicas (Big Data) de todos os exames já realizados. Com isso, o profissional tem em mãos um poderoso instrumento para elaborar seu diagnóstico e fazer o diagnóstico correto, com o propósito de prescrever o melhor e mais eficiente tratamento.

Só para ilustrar: isso é o que acontece em exames de tomografia computadorizada, ressonância magnética, ultrassonografia e radiografia digital. Também é importante ressaltar a tendência de crescimento da impressão 3D no Brasil. Desse modo, os médicos poderão, partindo dos exames de imagens, criar versões impressas de qualquer órgão em tamanho real, o que possibilitará uma análise aprofundada antes de realizar um procedimento.

Medicina Diagnóstica e Covid-19

A Covid-19 colocou em evidência a importância da Medicina Diagnóstica na luta para combater e controlar grandes surtos epidêmicos, além da utilização racional de exames para garantir o atendimento à população. Também trouxe para os debates não só a qualidade, bem como a aplicabilidade de métodos diferentes de diagnóstico.

Como resultado, desde que reconheceu a pandemia, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomendou que todos os países aumentassem seus respectivos programas de diagnóstico. Ou seja, com o intuito de retardar o avanço da Covid-19, a orientação foi para testar o maior número possível de pessoas. Assim, reforçou a necessidade urgente da realização de exames, com o propósito de identificar os pacientes contaminados e isolá-los, a fim de interromper a cadeia de infecção.

Com o objetivo de se chegar ao diagnóstico preciso, inclusive com exames de imagem, é utilizado um método molecular conhecido como RT-PCR (reação em cadeia da polimerase em tempo real). Trata-se de um exame de alta complexidade que é feito em laboratórios especializados, com alta confiabilidade e que apresenta resultado conclusivo.

Resumo

Com este post, acreditamos que você tem em mãos um conjunto abrangente de informações sobre a Medicina Diagnóstica. Com sua evolução e importância, para que os médicos possam chegar ao melhor diagnóstico e prescrever com tranquilidade o melhor tratamento.

Além de constatar sua tendência de crescimento, como por exemplo ao utilizar os exames por imagem. Aliados da Medicina, permitirão prever enfermidades como o câncer e e o diabetes.

Você pode se interessar por