Tecnologia na Medicina

Impressoras 3D: O futuro da Medicina

Impressoras 3D: futuro da medicina

Impressoras 3D são equipamentos que imprimem praticamente quaisquer objetos tridimensionalmente. Podem ser feitos alimentos, roupas, acessórios e até carros, através de camadas sobrepostas de resina de plástico.

Com aplicações em toda as áreas, o que vem chamando atenção é o avanço que vem proporcionando na Medicina. Soluções estão sendo estudadas (e algumas até já realizadas) para que próteses, tecidos e até órgãos humanos sejam impressos.

Neste post vamos viajar um pouco mais e ficar mais por dentro sobre o que já é possível e o que poderá ser em um futuro próximo.

 

Próteses e Moldes nas impressoras 3D

Muitos casos e vidas estão sendo salvas e melhoradas graças às impressoras 3D. Casos complexos estão podendo ser resolvidos com a ajuda de moldes. 

Esses moldes permitem que os médicos pratiquem estudos e até ‘ensaios’ sobre cirurgias e intervenções em órgãos antes do paciente efetivamente, como foi o caso do recém-nascido diagnosticado com uma cardiopatia congênita onde um defeito nas válvulas do coração fazia com que o sangue oxigenado e não oxigenado fossem misturados. A impressão 3D possibilitou que o pequeno coração fosse replicado (inclusive com a mesma textura e defeito) para que os médicos realizassem os estudos e ‘testes’ necessários para antes da complexa cirurgia, o que acabou resultando em uma operação de sucesso com o problema resolvido de uma só vez (e sem o modelo artificial esta chance seria praticamente nula e o procedimento teria que ser repetido de 3 a 4 vezes).

Próteses de braços, mandíbula, crânios, vértebras e até um exoesqueleto que foi capaz de ajudar uma mulher paralisada a andar já foram impressos e ajudaram muitas pessoas mundo afora.

Além dos feitos considerados impossíveis sem esta tecnologia, há vários fatores positivos das impressoras 3D. Elas geram quedas impactantes no custo das próteses. Também permitem que as peças produzidas sejam totalmente customizadas para a necessidade de cada paciente, produz as peças de forma mais rápida e certeira e ainda, reduz riscos e tornam a recuperação dos pacientes mais rápida e melhor.

 

Biompressão  

Outro uso das impressoras 3D é a bioimpressão. Com ela você pode imprimir :

  • fabricação de tecidos;
  • peles;
  • pequenas partes do corpo;
  • órgãos. 

Os órgãos poderão resolver as longas filas de espera de transplantes e serem utilizados para testes de drogas evitando assim os polêmicos testes com animais, e os tecidos e peles poderão ser usados em reconstrução de mamas por mulheres que tiveram câncer de mama, por exemplo e pedaços de tecidos em reparação de órgãos.

Porém, estes tipos de impressões são mais complexas. Elas se utilizam de células vivas do próprio ser humano e devem se manter vivos após a impressão também.

O processo para se imprimir tecido celulares por exemplo, se dá através da coleta de células. Essa coleta é feita por biopsia ou células tronco de um cordão umbilical, do cultivo até que atinjam o número suficiente para o tamanho da peça a ser produzida e da transformação em uma espécie de tinta celular denominada biotinta. Esta biotinta é então colocada na máquina e através de um software específico, a quantidade necessária de biotinta é injetada. Após isto, um gel para manter a estrutura das células no lugar exato é adicionado. O modelo é, então, deixado em uma espécie de encubadora para que a natureza haja e o tecido seja produzido.

Parece surreal não é? Mas saiba que vai ser a tendência para um futuro mais próximo do que você imagina!

 

Quer conhecer mais sobre medicina e gestão? Acesse nosso blog e fique por dentro

Você pode se interessar por