Erro médico e seus Aspectos psicológicos - Blog ProDoctor
Medicina e Saúde

Erro médico e seus Aspectos psicológicos

erro médico


O erro médico é um dos grandes fantasmas na vida do profissional. Sim, errar é humano, mas em se tratando de Medicina, o dilema moral é muito maior, uma vez que sua missão fundamental é salvar vidas. Com o Juramento de Hipócrates na mente e o 
Código de Ética Médica orientando sobre seus deveres, o médico deve ficar em alerta permanente.

Com toda a certeza, a relação médico-paciente é de grande importância para se evitar não só o erro médico, como também possíveis exigências e cobranças de direitos dos pacientes e de seus familiares. O exercício da Medicina está cada vez mais difícil, não apenas em termos científicos, como também pela vigilância crescente acerca dos resultados de consultas, tratamentos e procedimentos cirúrgicos.

Assim, cresce sobre os ombros do médico a responsabilidade, com a exigência de que não pode cometer qualquer imperícia, ser imprudente ou negligente. O erro médico coloca  os olhares acusadores e os dedos em riste na direção do profissional.

Como resultado, sua reputação pode ser manchada para sempre, enquanto que psicologicamente está sujeito à queda na autoestima, burnout e depressão, com consequente desencanto pela profissão e perda de outros pacientes.

Inegavelmente, o tema é bastante relevante e, por isso, a ProDoctor Software preparou este post para que você fique bem informado a respeito dos seguintes temas:

  • Tipos de erro médico
  • Imperícia médica
  • Imprudência médica
  • Negligência médica
  • Erro médico e responsabilidade civil
  • O erro médico afeta o plano psicológico
  • Sofrimento interior
  • Como diminuir o erro médico?
  • Relação médico-paciente, remédio contra o erro médico

Leia também:
7 erros no atendimento ao paciente que você não deve cometer
Erros na administração de clínicas e consultórios: como superá-los


Tipos de erro médico

medicina no mundo

Seja por imperícia, imprudência ou negligência, o erro médico, constatado ou não, pode abalar seriamente sua carreira. Além disso, com as redes sociais, o linchamento público é uma ameaça permanente ao equilíbrio psicológico do profissional.

Com seus julgamentos precipitados, as mídias sociais podem não só abreviar uma carreira, como provocar uma profunda crise interior. Portanto, é importante conhecer bem os três tipos de erro médico, a fim de se resguardar tanto na esfera jurídica quanto psicológica.

Imperícia médica

fidelizar pacientes

A imperícia médica fica evidente quando o profissional, ao atender o paciente, revela sua total incapacidade e falta de conhecimento para colocar em prática os procedimentos técnicos exigidos. Também fica comprovada através do não cumprimento das normas técnicas requeridas para o exercício correto da Medicina.

O melhor remédio contra a imperícia médica continua sendo o acompanhamento permanente dos avanços científicos e tecnológicos. Dessa maneira, estará pronto para atender os pacientes, dominando e usando a técnica correta e indicada para cada tipo de procedimento ou doença.

Imprudência médica

Na imprudência médica, o erro está na falta de cautela ao realizar determinados procedimentos sem conhecimento dos seus atos, ignorando as consequências que poderão acontecer. Em outras palavras: embora saiba exatamente o que pode ocorrer, ignora o conhecimento científico e pratica o ato. Só para ilustrar: realizar uma cirurgia de risco sem contar com o apoio de uma equipe completa.

Negligência médica

Por fim, a negligência médica é consumada após o médico tomar determinada decisão sem se preocupar com as precauções necessárias para a realização de um procedimento. Nesse sentido, é importante ressaltar que estar alerta e atento é de suma importância nos cuidados com o paciente, uma vez que qualquer descuido pode ser fatal.

Mas, afinal, o que caracteriza a negligência médica? Com toda a certeza, o que causa mais espanto e revolta em pacientes e seus familiares são a falta de atenção, a omissão e o descaso dos médicos para com os deveres éticos, que devem ser cumpridos com rigor.

Conforme inúmeros relatos, a negligência médica fica evidente não só no esquecimento de um material cirúrgico dentro do corpo do paciente, bem como quando o profissional não cumpre o dever de fazer o acompanhamento diário do paciente no hospital, onde este está sob os seus cuidados.

Erro médico e responsabilidade civil

Assim, é de suma importância conhecer a fundo sua responsabilidade civil, para que possa se precaver contra eventuais processos criminais. Afinal, por mais experiente que seja, o médico não está imune ao erro e tampouco isento de ser confrontado judicialmente, pois os pacientes cada vez mais procuram se informar sobre seus direitos.

Saiba mais sobre Responsabilidade civil e Seguro para Médico.

O erro médico afeta o plano psicológico

Com sua carga enorme de demandas, a Medicina é uma profissão por si só extenuante e que exige o famoso “sacerdócio” no dia a dia. Além de supostamente não poderem adoecer, muitos médicos convivem com cargas de trabalho pesadas, más condições nos locais de trabalho e falta de recursos em suas unidades de saúde.

Um conjunto que pode levá-los ao burnout e induzi-los ao erro. Se acaso este acontecer, sua vida profissional e a saúde mental estão expostas a um terrível baque.

Certamente, o primeiro passo após cometer um erro é a não aceitação. Então, além do drama interior, o médico estará sujeito a conviver com os olhares acusadores e de desconfiança, até mesmo de colegas, além das conversas furtivas pelos corredores. Pior do que isto: com sua conduta profissional exposta e sob julgamento à revelia nas redes sociais.

É importante ressaltar que, através das mídias sociais, os pacientes recebem informações acerca dos profissionais, com comentários sobre sua conduta que atingem os quatro cantos do planeta. 

Além disso, os pacientes têm acesso permanente e cada vez maior sobre a Medicina, suas enfermidades, medicamentos e tratamentos. Então, há um aumento no grau de expectativa sobre o que o profissional poderá realizar em termos de atendimento aos pacientes, passando a ser objeto de intensos questionamentos.

Sofrimento interior

erro médico

O sofrimento interior do profissional não é apaziguado, sequer, pelo chamado corporativismo da categoria. Nestes momentos, é necessário que o médico tenha não só o apoio da família e dos amigos e colegas próximos, mas também as orientações de um psicólogo ou pessoa de confiança, a fim de abrir seu coração e externar todo o sentimento represado.

Desse modo, poderá diminuir suas dores, ansiedades e apreensões, evitando sentimentos que possam baixar e até mesmo destruir sua autoestima. A ajuda psicológica é de grande importância para que não tome decisões precipitadas, como por exemplo o abandono da profissão.

A psicóloga Caroline Elton, 61 anos, autora de “Also human: The inner lives of doctors” (“Também humanos: a vida interna dos médicos”, em tradução livre), acredita que a infelicidade dos médicos geralmente está relacionada com suas condições de trabalho ou algum problema psicológico não resolvido.

Para ela, abandonar a Medicina é uma decisão drástica, conforme afirmou em entrevista ao “New York Times” em 04 de fevereiro de 2019. Em seu trabalho com estes profissionais, acredita que, com seis ou oito sessões, é possível ajudá-los a encontrar as menores mudanças para os maiores ganhos psicológicos.

Como diminuir o erro médico?

erro médico

O ensino da Medicina nas faculdades e a atualização regular e permanente dos profissionais são fundamentais para a diminuição dos erros médicos. Propagar o uso da Medicina baseada em evidência e do ensino baseado em problemas são dois fatores de grande relevância, podendo estimular um modo de aprendizado focado no acompanhamento da realidade e da atualização científica e no aprendizado contínuo.

Conforme o artigo nº 5 do Código de Ética Médica, “é dever do médico aprimorar continuamente seus conhecimentos e usar o melhor do progresso científico em benefício do paciente”. A revalidação obrigatória dos títulos de especialidade a cada cinco anos, por exemplo, contribui muito para que os profissionais se conscientizem acerca da relevância dos Programas de Educação Médica Continuada.

Portanto, é de grande importância o papel da educação médica, não apenas na formação científica e de suas competências e habilidades técnicas, como também na devida atenção aos valores éticos e morais.

Além disso, é preciso conhecer os fatores que se relacionam aos erros médicos, a fim de que possibilitem a formulação de medidas capazes de se evitar a má prática profissional e, por conseguinte, reduzir o erro médico.

5 dicas para cuidar da Saúde Mental dos Profissionais da Saúde

Em tempos difíceis, é preciso atenção para manter a Saúde Mental em dia.

Relação médico-paciente, remédio contra o erro médico

erro médico

Ser transparente e saber transmitir as informações são fatores de grande importância para a relação médico-paciente. E que podem, com toda a certeza, ser um bom antídoto contra possíveis falhas e desentendimentos. Acima de tudo, é preciso haver uma confiança mútua.

Dessa forma, o exercício da compreensão e da tolerância pode evitar o conflito. Não para passar uma borracha sobre um possível erro médico, mas com o intuito de que as hostilidades entre as partes sejam apaziguadas antes que se chegue, por exemplo, às vias judiciais.

Nesse processo, a comunicação desempenha um papel de enorme relevância. Com toda a certeza, é o remédio apropriado para que, através do diálogo, a relação seja fortalecida e se alcance um entendimento justo e que satisfaça às partes envolvidas. Com isso, permitirá melhor entendimento e confiança não só aos médicos, como também aos pacientes, com seus familiares e amigos.

Resumo

De acordo com o que alinhamos acima, acreditamos que você tem informações substanciais para alimentar seu conhecimento sobre o erro médico. Lembrando, também, da importância de se resguardar tanto jurídica quanto psicologicamente para qualquer eventualidade.

Você pode se interessar por