Tecnologia na Medicina

Como a Saúde e a Tecnologia convivem?

Como a Saúde e a Tecnologia convivem?

O reconhecimento da importância da tecnologia para melhorar as condições de saúde das pessoas e salvar vidas cresce em velocidade geométrica. O despertar para esta realidade ultrapassa a mera utilização de computadores e celulares e os investimentos se multiplicam a cada ano, tendo em vista a necessidade de atender e apoiar inúmeras frentes.

Profissionais de Saúde e administradores de clínicas e hospitais estão despertos e atentos para esta permanente evolução, cientes do risco de ficarem para trás se não acompanharem as inovações diárias.

Há uma revolução em curso, desde o atendimento, prognóstico e tratamento, até a maneira de pensar a saúde. Os empreendedores desenvolvem novas soluções para todas as áreas médicas, além de criarem processos para melhorar e acelerar as rotinas de atendimento. As plataformas procuram disponibilizar suas tecnologias tanto para a classe médica quanto para os pacientes, facilitando o atendimento em todos os recantos do planeta.

De um lado, a classe médica cada vez mais se conscientiza da necessidade de utilizar as descobertas tecnológicas como braço auxiliar do seu conhecimento científico. De outro, os pacientes se mostram cada vez mais antenados e exigentes, buscando informações e usando as facilidades proporcionadas principalmente pelos smartphones para estarem mais perto do seu médico.

  Leia mais: Conheça sobre a inteligência artificial e suas aplicações na área médica

Transformações velozes

Os avanços verificados na Medicina são avassaladores e é difícil prever onde chegaremos, pois a cada dia há algum anúncio impactante oriundo da parceria entre Saúde e Tecnologia.

Especialistas acreditam que há uma grande tendência para que o aprimoramento da tecnologia dê às máquinas um papel de grande relevância nos diagnósticos e tratamentos das enfermidades.

Além disso, é previsível o refinamento do armazenamento e cruzamento das informações dos pacientes. Com avanços significativos no campo da prevenção.

Robotização e humanismo

Robotização e humanismo

A utilização cada vez maior dos robôs, seja no auxílio aos médicos no dia a dia dos hospitais em cirurgias de precisão, na análise dos dados dos pacientes ou nas tarefas operacionais das instituições médicas, proporcionará eficácia nos tratamentos. Proporcionando ainda um tempo maior para que o relacionamento entre profissionais da Saúde (médicos, enfermeiros, fisioterapeutas…) e os pacientes seja ainda mais estimulado.

Cirurgia robótica

Com diversas vantagens sobre o procedimento tradicional, a cirurgia robótica tem como objetivo melhorar a capacidade dos médicos realizando cirurgias abertas e minimizar o impacto em cirurgias minimamente invasivas. Além disso, apresenta várias outras vantagens sobre a convencional, como maior precisão e redução do trauma para o paciente, com cicatrizes menores e uma recuperação mais rápida.

No Brasil, os cirurgiões contam com o apoio de robôs em operações delicadas, como no Hospital Israelita Albert Einstein, no Hospital A. C. Camargo Cancer Center, no Hospital Sírio-Libanês (todos em São Paulo), no Hospital São Lucas (Rio de Janeiro) e na Rede Mater Dei de Saúde, em Belo Horizonte.

A previsão é de que o alto custo dos equipamentos e a estrutura exigida deverão ser reduzidos nas próximas décadas. Outro grande benefício da robótica é diminuir a fadiga que os médicos sofrem durante as cirurgias, que podem durar várias horas.

Outro passo importante será permitir que os procedimentos sejam realizados à distância, desde que haja regulamentação para tanto.

  Saiba mais: Cirurgia robótica

Medicina de Precisão

O crescimento da utilização de Big Data nos inúmeros ramos científicos é uma realidade que tem proporcionado avanços inestimáveis para a população e que tende a se desenvolver muito. Está presente de forma destacada na Medicina de Precisão (Precision Medicine) e nos Prontuários Eletrônicos do Paciente (PEPs), permitindo a consulta remota do mesmo prontuário por todos os estabelecimentos de saúde. Sua atuação na área denominada Internet das Coisas (Internet of Things) proporciona ganho de tempo e dinheiro, além de ajudar a salvar vidas.

O Big Data consiste no armazenamento e cruzamento das informações de uma imensa gama de pacientes, através de um banco de dados de evidências clínicas. Ao disponibilizar para os profissionais de saúde todos os dados dos pacientes, permite que estabeleçam a partir daí uma comparação para saber quais os que melhor responderão a determinados tratamentos em indivíduos com o mesmo perfil. Assim, os médicos terão condições para elaborar diagnósticos concisos e prescrever melhores tratamentos.

Com a utilização do Big Data, os aplicativos de saúde, por exemplo, já alertam sobre horários para tomar medicamentos, controlam a dieta e a atividade física. Em breve, essas e outras ferramentas poderão até mesmo diagnosticar doenças.

  Leia mais: Medicina de Precisão e Big Data

Telemedicina

Ao utilizar os recursos da Tecnologia da Informação, a Telemedicina se desenvolve no ritmo de sua evolução. Atualmente, permite o armazenamento em nuvem, compartilhamento de dados e emissão de laudos médicos à distância. A expectativa é de que o serviço se desenvolva ainda mais, ampliando o acesso a diagnósticos com qualidade e agilidade.

  Leia mais: Avanços consolidados na Medicina

Uber de Saúde

O termo remete ao atendimento médico que pode ser solicitado por um aplicativo através do uso de um smartphone. A ferramenta encontra um profissional de saúde próximo, e o envia ao local onde o paciente está.

  Conheça mais: Uber da saúde: um novo modelo de atendimento 

Internet das Coisas (IoT)

Os dispositivos de saúde conectados à Internet acenam com novas conquistas na Medicina do Futuro, com a utilização de wearables, sensores e outros equipamentos capazes de proporcionar maior autonomia do paciente, monitoramento e coleta de informações em tempo real. Os wearables, por exemplo, colhem e armazenam dados do próprio corpo do paciente, como o sono, a frequência cardíaca e a pressão arterial. Assim, o paciente passa a ter um papel cada vez mais ativo nos cuidados com a sua saúde.

E os profissionais de Saúde poderão usar as informações para elaborar diagnósticos, prescrever tratamentos e trabalhar em termos de uma Medicina Preventiva.

Nanotecnologia

A utilização de técnicas e ferramentas específicas possibilita organizar átomos e moléculas para criar um novo material ou novo processo, atuando na área de pesquisa e desenvolvimento de diversas áreas, desde a Medicina até a computação. Na Medicina, otimiza os efeitos de remédios ao levá-los diretamente para onde são necessários dentro do corpo, diminuindo a toxidade das drogas, seus efeitos colaterais e as dosagens. Os medicamentos poderão ser liberados em partes específicas do organismo, potencializando alguns tratamentos.

Há uma grande esperança acerca da possibilidade de se fazer algo parecido em tratamentos como o do câncer, atacando apenas as células defeituosas, com as nanomáquinas identificando e eliminando apenas as células doentes.

Atualmente, vários produtos que resultam da Nanotecnologia são utilizados: alguns tecidos com características especiais, equipamentos médicos como cateteres, válvulas cardíacas, marca-passo, implantes ortopédicos e curativos antimicrobianos, dentre inúmeras outras soluções.

Impressão em 3D

Os avanços e benefícios proporcionados pelas impressoras 3D deixam entrever um futuro bastante promissor. Além das impressões para próteses, tecidos, órgãos humanos e remédios, vários casos de alta complexidade já são resolvidos com a ajuda de moldes que possibilitam aos médicos realizar estudos e ensaios sobre cirurgias e intervenções.

Além disso, elas reduzem substancialmente o custo das próteses, permitindo que as peças produzidas sejam totalmente customizadas para a necessidade de cada paciente, com maior agilidade e de forma certeira, diminuindo riscos e tornando a recuperação do paciente mais rápida e melhor. Outro uso das impressoras 3D é a bioimpressão, com a fabricação de tecidos, peles, pequenas partes do corpo e até órgãos.

Os pacientes que necessitarem de transplantes poderão receber órgãos construídos especialmente para eles, ao se combinar os dados do paciente e impressoras 3D. Além de substituir partes do corpo, os órgãos e as próteses artificiais poderão melhorar funções e até combater doenças.

  Saiba mais: O futuro da Medicina: Impressoras 3D

Você pode se interessar por