Gestão de Clínicas e Consultórios

Como abrir o primeiro consultório

Dicar para abrir o primeiro consultório

Ah!, o primeiro consultório… Depois de longos anos de estudo e de ter passado por estágios e residências, você finalmente está pronto para realizar o sonho e encarar o desafio de abrir o primeiro consultório. Mas, tem certeza e está seguro de que está mesmo pronto?

A realidade atual revela-se cada vez mais difícil, devido à instabilidade econômica e aos preços de insumos e serviços vários.

Diante disso, a recomendação que se faz é que cada passo seja pensado e articulado na ponta do lápis, para que o sonho há tantos anos acalentado não se transforme em decepção.

Afinal, não custa relembrar que a primeira vez a gente nunca esquece.

O que precisa saber para abrir o primeiro consultório

O que precisa saber para abrir o primeiro consultório

1 – Hora da decisão

É importante que, antes de qualquer decisão, exista um planejamento, com todos os dados possíveis sendo colocados na mesa para uma avaliação criteriosa de prós e contras, tendo como princípio um ganho na relação custo-benefício. Está certo de que é a hora? Então vamos lá!

2 – Definir o público alvo

A primeiro dica de como abrir o primeiro consultório é definir qual será o seu público alvo. Isso está ligado diretamente à localização, estrutura e arquitetura da clínica, além de sua comunicação interna e externa e estratégias de marketing. Você atenderá crianças? Idosos? Mulheres? Será uma clínica popular ou destinada a um perfil diferenciado de pacientes?  Todas as ações daqui em diante devem ser baseadas em quem o consultório vai receber.

3 – Escolher o espaço

A localização do consultório também deve ser observada com atenção e, conforme o público alvo, optar por locais com fácil acesso de transporte público ou pelos que tenham estacionamento próprio ou próximo ao local.  Terá grande circulação de pessoas? Nesse caso o espaço deve ser amplo. Receberá idosos? Então é preciso ser acessível, possuir rampas ou elevadores, por exemplo.

4 – Calcular os custos

Caso tenha encontrado o local que considera ideal, de imediato organize uma planilha com os gastos mensais do espaço: aluguel, salário da secretária, devidamente registrada conforme as leis trabalhistas, despesas com luz, água e condomínio, por exemplo, cuidando de saber se existem outras cobranças de manutenção. A soma dos valores que encontrar nos itens acima representará o custo fixo do espaço.

Lembre-se de que este custo final não varia, independente do número de consultas que você atender ao longo do mês. Já o custo variável é representado, a cada atendimento, pelos materiais e demais recursos utilizados.

5 – Utilização do consultório

Outro ponto a ser observado com atenção é ter conhecimento de quantas horas por dia você utilizará o espaço. A ociosidade do consultório poderá pesar diretamente na balança ao se analisar o custo fixo do espaço por consulta.

6 – Compartilhar o espaço

Existe a possibilidade de outros profissionais da mesma especialidade, ou mesmo de outra área médica, compartilharem este espaço? Além de ajudar a resolver o problema da ociosidade do consultório, a existência de um espaço com profissionais de diferentes especialidades e formações tende a facilitar a vida do paciente, até mesmo proporcionando o estabelecimento de um ambiente em que o paciente passa a ter um atendimento mais integral.

7 – Escolher os parceiros e colaboradores

Um passo imprescindível, se for dividir o consultório com outro profissional, é escolher bem com quem estabelecerá esta “parceria”. Não é muito recomendado que se baseie apenas em sua rede profissional de relacionamento, deixando de lado os objetivos de cada um, pois podem acontecer conflitos. É preciso saber detectá-los de imediato e evitá-los, sendo muito importante que exista um clima de diálogo franco e permanente, com respeito e confiança.

Todos esses pontos devem ser levados em conta ao se escolher uma secretária, ela que é de suma importância para o sucesso do consultório, deve ter o perfil e os objetivos alinhados com os seus e de seus colaboradores.

8 – Adquirir as ferramentas necessárias

A utilização de softwares de gestão de consultórios médicos é uma decisão que não deve ser adiada para quem pretende ter sua rotina diária organizada, ágil e segura.

Uma dessas soluções é o ProDoctor Software, que abrange desde a entrada do paciente no consultório para agendar sua consulta e o prontuário eletrônico do paciente, até o total gerenciamento administrativo e controle do faturamento e da vida financeira do consultório.

9 – Investir em marketing e publicidade

 A última dica de como abrir o primeiro consultório é investir em marketing e publicidade.Sabemos que o objetivo principal do consultório é ajudar pessoas, porém, ele é uma empresa, que precisa pagar contas e gerar lucro. Para alcançar tanto um objetivo quanto outro, as pessoas precisam saber que ele existe, por isso é preciso investir em marketing e publicidade.

O Marketing Digital é uma ótima forma de começar, criando um site (por que devo ter um site do consultório?) e utilizando das redes sociais (veja como utilizá-las da maneira correta) para encontrar (e ser encontrado) e estar em contato com o seu público alvo.

Agora que você sabe como abrir o primeiro consultório seu sucesso é garantido!

Você pode se interessar por