Medicamentos e Farmácia

Antibióticos: uma em cada três prescrições é desnecessária

No início de julho, o Journal of American Medical Association (JAMA) publicou um estudo que avaliou a prescrição de antibióticos orais, no cadastro nacional de cuidados ambulatoriais dos EUA nos primeiros anos da década, separados por idade, região e diagnósticos.

Entre as 184.032 consultas ambulatórias da amostra, 12,6% resultaram em prescrição de antibióticos, sendo que a sinusite foi o mais frequente diagnóstico isolado dessa população, seguida de otite média supurada e faringite. 

Na análise coletiva, as infecções respiratórias foram responsáveis por 221/1.000 das prescrições, com o detalhe de que apenas 111/1.000 dessas foram consideradas apropriadas. Ficou evidenciado que o abuso do consumo de antibióticos tem estimulado o aumento de bactérias resistentes, que infectam cerca de 2 milhões de americanos, ocasionando cerca de 23 mil mortes a cada ano, segundo fontes do Centers for Disease Control and Prevention (CDC).

Dentre a estimativa de 505 prescrições de antibióticos, apenas 353 foram consideradas corretas, demonstrando que cerca de 1/3 das recomendações foram inadequadas aos tratamentos para os casos de resfriados, bronquites, dores de garganta, infecções de ouvidos e seios da face.

Acredita-se que esses dados não sejam diferentes hoje. Os pesquisadores do CDC advertem que os antibióticos são medicamentos que devem ser utilizados apenas contra infecções bacterianas e, ainda assim, com a ressalva de que, se elas forem gastrointestinais, há aplicação em bem poucas delas.

Especialistas vão além e advertem que tal fenômeno desenha um cenário catastrófico em que se tornará impossível tratar inúmeras infecções.

 

Veja pesquisa inédita que revela bactérias resistentes no Brasil clicando aqui

Você pode se interessar por