Medicamentos e Farmácia

Farmácia Hospitalar: dicas para uma boa gestão

Farmácia Hospitalar: dicas para uma boa gestão

A farmácia hospitalar tem passado por uma mudança de paradigmas em função das novas necessidades dos clientes e da sociedade. Por isso, a busca pela eficiência tem exigido a incorporação rápida de novos conceitos e práticas de gestão.

Hospitais buscam resolver problemas terapêuticos por meio de intervenções que reduzam a morbidade e promovam qualidade de vida. Considerando o aumento de custos da assistência à saúde, por exemplo, esses objetivos precisam ser alcançados o menos dispendioso possível.

A farmácia hospitalar está ligada diretamente aos pacientes e exerce grande influência sobre o desempenho financeiro do hospital. Por isso, se destaca como um dos principais itens na representatividade orçamentária.

O farmacêutico, que busca tornar segura a utilização de medicamentos e outros insumos de saúde, deve garantir uma configuração otimizada dos processos de armazenamento e distribuição para esse fim.

Porém, seu objetivo vai muito além da promoção do acesso aos medicamentos, já que o engloba num contexto mais amplo: da assistência farmacêutica. Isso envolve uma série de processos como produção, seleção, programação, aquisição, armazenamento, distribuição, prescrição e dispensação.

I – Gestão de Estoques

Hospitais precisam manter seus estoques de medicamentos e recursos associados com prazos e quantidades em níveis aceitáveis. A importância da gestão dos estoques de medicamentos está associada, principalmente, ao seu valor monetário e pela essencialidade na prestação dos serviços de saúde a que dão suporte. O alto volume de estoque implica custos, enquanto a falta, riscos graves aos pacientes.

Gerenciar uma farmácia hospitalar implica lidar com uma grande quantidade de itens de estoque e, cada qual, com uma importância intrínseca.

Para que o estoque alcance um bom desempenho, é importante sempre estar atento a fatores como: histórico das entradas e saídas, níveis mínimo, máximo e de ressuprimento de estoques, dados de consumo e demandas atendidas e não atendidas.

Para isso são consideradas boas práticas:

  • Manter os custos de cada item atualizados;
  • Determinar os níveis mínimos, máximos e de segurança de cada item;
  • Estabelecer o custo de falta de cada item;
  • Manter sistemas de informações organizados e integrados que permitam consultas rápidas e precisas.

I.a – Programação de compras

Uma boa programação permite estabelecer a periodicidade de compras em função dos níveis de estoques estabelecidos, recursos orçamentários, capacidade de armazenamento, modalidade de compra e disponibilidade e capacidade dos fornecedores.

Para estabelecer o momento e periodicidade de aquisições, instituições públicas devem observar as normas estabelecidas pela Lei nº 8.666 de junho de 1993. Para as instituições privadas, é usual que produtos da curva “A” possuam estoques mínimos entre 7 e 15 dias, da curva “B”, no máximo 1 mês, e da curva “C”, de até 60 dias.

I.b – Classificação de medicamentos

Classificar medicamentos é fundamental para o acompanhamento de estoques. Muitas operações de controle são feitas por grupos, e a classificação permite, por exemplo, a substituição emergencial de um medicamento por outro em caso de falha no reabastecimento.

São critérios mais comuns de ordenação: ordem alfabética, forma farmacêutica e pela curva ABC, segundo critérios de consumo ou valor. Na curva “A” encontram-se os medicamentos de maior custo e menor quantidade, na “b”, os de custo intermediário, e “C”, os de menor custo e maior quantidade.

I.c – Codificação

Consiste em simbolizar os medicamentos conforme a classificação atribuída, evitando-se que sejam interpretados de forma incorreta segundo suas características, ou mesmo confundidos com outros semelhantes. 

II – Armazenamento

Muitas vezes negligenciado, o armazenamento é vital para assegurar a qualidade, disponibilidade, segurança e controle dos medicamentos. Não deve jamais ser “improvisado” pois, quando mal realizado, uma série de problemas pode ocorrer, estando estes relacionados a danos físicos, furtos e extravios, distribuição precária, falta de controle e desvios de qualidade.

O armazenamento racional agrega economia para a instituição e promove segurança para o paciente. Dessa forma, são boas práticas de armazenamento de medicamentos em farmácia hospitalar:

  • Primeiramente, efetuar a guarda respeitando as condições específicas de cada produto (inflamabilidade, termolabilidade e fotossensibilidade, etc);
  • Realizar o armazenamento lógico, permitindo localização ágil e segura;
  • Manter um sistema de controle de retiradas;
  • Garantir estocagem separada, identificada e exclusiva para produtos com validade vencida ou sem condições de uso;
  • Providenciar armazenamento e dispensação especial para medicamentos de controle especial. por isso, existem armários e dispensários eletrônicos que tornam a dispensação extremamente segura e rastreável.

III – Dispensação de Medicamentos em Farmácia Hospitalar

Dispensação é a atividade com mais visibilidade associada aos serviços farmacêuticos. Também é onde mais se estabelece contato com os serviços clínicos do hospital. Ela assegura, sobretudo, que medicamentos sejam administradas ao paciente de forma correta e adequada, sendo, no processo, uma das últimas oportunidades de se corrigirem erros da terapia medicamentosa.

O uso racional de medicamentos (URM) é o principal objetivo da dispensação, e é atingido quando o paciente recebe os medicamentos que correspondem às suas necessidades clínicas, nas doses períodos adequados, e ao menor custo possível.

Eliminar erros de Dispensação

Erros na dispensação de medicamentos, por exemplo, trazem prejuízos à saúde dos pacientes, acompanhados de repercussões sociais e econômicas. Infelizmente eles são comuns. No país, as taxas de erros de dispensação podem chegar até 34% em alguns hospitais.

Estudos realizados na Europa entre 1967 e 2005 demonstraram que eles apresentam forte correlação com os sistemas de dispensação utilizados. As maiores taxas de erros ocorrem em sistemas coletivos e individualizados. Desta forma, diminui-se nos sistemas por dose unitária manual e dose unitária informatizada e automatizada.

Assim, dentre os sistemas de dispensação de medicamentos, por dose unitária é considerado mais racional e seguro até o momento.

Das vantagens associadas, além da redução de incidência de erros, estão não só maior segurança para o médico em relação à garantia da correta administração, como também a redução de tempo dispendido pelo pessoal de enfermagem em atividades relacionadas ao medicamento. Logo depois está a diminuição de estoque periférico e das perdas por vencimento e redução de desvios de medicamentos. Ademais, a identificação até o momento da administração sem necessidade de cálculos e transferências e grande adaptabilidade aos sistemas informatizados.

Conclusão

A boa gestão da farmácia hospitalar é fundamental. Não só para para a redução de custos, mas também para armazenar os medicamentos necessários para os tratamentos dos pacientes. A farmácia hospitalar, nesse sentido, exerce papel central na logística de medicamentos nos hospitais. A adoção de boas práticas em sua gestão resulta em segurança e qualidade para os pacientes. Também em benefícios para a sustentabilidade financeira das instituições.

Fonte: Sisnacmed

Você pode se interessar por