Blog

Como planejar o orçamento da clínica/consultório


A saúde financeira de sua clínica/consultório precisa de atenção permanente. Embora você esteja prestando serviços para seres humanos, é necessário ter em mente que este é um negócio como qualquer outro e que precisa sobreviver em meio a uma concorrência cada vez maior. Assim, é importante não descuidar em nenhum momento, permanecendo atento a todo o funcionamento para que as contas apresentem saldo positivo ao final de cada mês.


Além do controle, a organização é fundamental e o planejamento orçamentário do seu empreendimento não deve se prender apenas às resoluções de final de ano. A seguir, confira algumas dicas que preparamos para que possa, com tranquilidade, desempenhar suas funções como médico, enquanto a vida financeira da clínica/consultório segue sem atropelos e no caminho do crescimento.


1 – Contas separadas


Esta é a primeira regra a ser seguida. Você não pode quebrar e sua empresa precisa gerar lucro para continuar prestando serviços à comunidade com qualidade e eficiência. Jamais misture as entradas e saídas de dinheiro do seu consultório/clínica com sua conta pessoal, o pagamento de suas contas mensais ou de um simples almoço ou jantar com cheques da empresa. É preciso manter a casa em ordem, sem descuidos e vacilos, sem permitir que o que considera “de vez em quando” se transforme em hábito.


Ao agir assim, evitará possíveis transtornos, que se somados poderão se transformar em uma imensa dor de cabeça. Reflita no quanto pode parecer estranho para as outras pessoas presenciar o pagamento de um compromisso particular com um cheque emitido por um paciente. Manter as contas do empreendimento separadas da sua particular permitirá total controle das contas, gerando tranquilidade e refletindo organização.


2 – Software de gestão


O trabalho de uma secretária de confiança, atenta, eficiente e dedicada é importante para o desempenho do setor financeiro. Porém, conforme o tamanho de sua clínica/consultório, você poderá criar um setor próprio e contratar profissionais formados, sem sobrecarregar o trabalho de atendimento e marcação de consultas.


É fundamental trabalhar com um excelente software de gestão de consultórios e clínicas, capaz de realizar, com fidelidade, agilidade e segurança, todo o controle das contas, com previsão de gastos, recibos e o almejado equilíbrio entre receita e despesa. O monitoramento destas está ligado diretamente à organização dos gastos referentes à compra de materiais, além dos pagamentos da equipe e da manutenção, em geral.


Com indicativos permanentes e variáveis, o profissional habilitado poderá analisar os números, o registro de despesas, o fluxo de caixa, gráficos de entradas e lucros, esmiuçando todo o controle financeiro da clínica/consultório.


3 – Avaliações e orçamentos


Todo o trabalho desenvolvido na clínica/consultório deverá ser avaliado periodicamente, baseando-se nas informações disponibilizadas pelo software. Isto permitirá analisar os orçamentos e as projeções feitas para a correta tomada de decisões. Todas estas ações sedimentarão o crescimento da empresa de forma constante e sólida. Procure estabelecer, conforme recomendam especialistas no setor, um plano orçamentário para no mínimo um ano.


É importante destacar que o orçamento deve ser baseado em três fatores: valor cobrado por consulta, quantidade de atendimentos feitos por mês e custos para manter a clínica. Baseando-se nesses valores, é possível vislumbrar a margem de lucro para o próximo ano e de quanto será necessário para cumprir os compromissos. Mantenha as previsões bem realistas, a fim de evitar contrair dívidas.


4 - Destinação de verbas


Defina o quanto será destinado para cada setor da empresa. Enumere as despesa com salários, investimento em marketing, reformas nos consultórios, compra de novos aparelhos, decoração da sala de espera e treinamentos da equipe. Assim, ficará bem mais fácil planejar os investimentos que poderão ser feitos em cada área da clínica/consultório.


Também é importante manter um fundo de reserva para qualquer eventualidade, seja a realização de alguma obra de urgência ou o pagamento de indenizações e de demissões. E lembre-se de que existem os compromissos sociais, como o 13º salário e a remuneração de férias.




Compartilhe