Blog

Como fazer a higienização correta de Consultórios e Clínicas

Como fazer a higienização correta de Consultórios e Clínicas


Se alguma vez você  já esteve em dúvida se estava fazendo corretamente a higienização do seu consultório ou clínica médica esse post é para você!


Estabelecimento de saúde tem que dar o exemplo! Sua clínica ou consultório precisa estar atenta a isto já a partir do seu planejamento físico, seguindo as determinações dos órgãos públicos e também o bom senso, contemplando tanto a estrutura física do imóvel quanto os procedimentos recomendados. Toda a equipe deve ter conhecimento das noções básicas de saúde e das regras a serem seguidas, tendo sempre em mente um pensamento elementar, mas fundamental: "Lave sempre as mãos, a saúde começa neste ato simples".


Estrutura Física



  • De antemão, o projeto arquitetônico das clínicas médicas precisa ter o aval da Vigilância Sanitária.

  • É obrigatório ter pia/lavatório na área de atendimento dos pacientes, disponibilizando sabonete líquido e toalha descartável. A secretária e os funcionários responsáveis pela limpeza devem estar atentos para verificar a necessidade de recomposição do material.

  • Atenção especial com a iluminação, que deve ser adequada. O mesmo vale para a ventilação.

  • O imóvel precisa destinar um local específico para esterilização e guarda dos materiais que passarem pelo processo.

  • Recomenda-se que as paredes sejam lisas, revestidas em material resistente e fácil de lavar.

  • Aconselha-se a utilização de piso liso, lavável, impermeável e resistente. Deve cobrir as áreas de atendimento dos pacientes, central de esterilização, copa, cozinha e instalação sanitária.

  • Quanto às instalações sanitárias, devem cumprir sua finalidade exclusiva, disponde de vaso sanitário, lavatório, toalhas de papel, sabão líquido e lixeira com tampa e pedal. A secretária e os funcionários responsáveis pela limpeza devem estar atentos para verificar a necessidade de recomposição do material.


Para começar, todo consultório médico deverá estar provido de:



  • Sabão líquido, de preferência germicida, com mecanismo dispensador que impeça o refluxo da solução.

  • Papel toalha, sendo proibida a utilização de toalhas de pano (salvo se autoclavado, envelopado e esterelizado).

  • Pote com tampa, com algodão cortado e seco, para limpeza de equipamentos.

  • Dispensador com álcool a 70%, para limpeza das mão e equipamentos.


Regras básicas: Procedimentos



  • Nunca efetuar varredura a seco para não provocar a presença de partículas em suspensão.

  • Começar a limpeza da área menos contaminada para a mais contaminada.

  • Limpar em sentido único de cima para baixo (do teto para o chão). Nunca em vaivém.

  • Os balcões e equipos podem ser desinfetados com álcool 70 sob fricção e hipoclorito de sódio a 1%.

  • Os armários devem ser de superfície lisa, impermeável e de preferência de cor clara para facilitar a desinfecção e a visualizações de sujidades

  • Todo o material usado (baldes, panos, vassouras, carrinhos, etc.) deve ser limpo e desinfetado ( solução de hipocloreto de sódio , exceto quando houver metal ).

  • A caixa d'água deve passar por um processo rigoroso de limpeza a cada seis meses.

  • Todas as áreas da clínica precisam estar em perfeitas condições de organização e limpeza.

  • A administração do estabelecimento precisa ser objetiva e rigorosa, deixando claro para seus funcionários as Rotinas e Fluxos do Procedimentos de Desinfecção das Superfícies e Processo de Esterilização de Materiais. Isto precisa ser documentado por escrito para não deixar dúvidas e ser o embasamento de todas as ações visando a limpeza do local.

  • Os Equipamentos de Proteção Individual - EPI's devem ser disponibilizados para todos os funcionários, abrangendo avental, luva, máscara e óculos, dentre outros.

  • Atenção especial para com a rotina de verificação de prazos de validade de medicamentos e solução.

  • Com relação à esterilização de materiais é preciso observar cuidadosamente o local adequado para o reprocessamento. Da mesma forma, atentar para o a utilização de estufa ou autoclave, com monitoramento do processo e manutenção preventiva do equipamento.

  • As embalagens para o processo escolhido devem ser adequadas, verificando sempre a identificação do artigo, sua data, o prazo de validade e indicadores químicos.

  • Todos os desinfetantes e antissépticos a serem usados devem ter a chancela do Ministério da Saúde. Igualmente, os produtos e medicamentos utilizados precisam estar registrados no Ministério da Saúde.

  • Coleta do lixo dos consultórios médicos deverá ser realizada separada do lixo comum, conforme norma determinada da Legislação Municipal.


Prevenção e eficácia


O trabalho cotidiano de limpeza em clínicas e hospitais para controlar infecções deve ser constante, com métodos e tecnologia sempre atualizados. Assim, é preciso estar atento e combater o desconhecimento e a utilização de procedimentos de esterilização inadequados ou sem controle, a resistência de diversos tipos de vírus e bactérias e a falta de cuidado dos profissionais com situações de risco. Tudo isto tem contribuído para o aumento dos casos de infecções por vírus.


O princípio básico para alcançar os objetivos é a adoção de medidas preventivas, com a implantação de normas e rotinas para diminuir os riscos ocupacionais a que estão expostos os profissionais de saúde.


Torna-se necessário criar uma consciência entre os profissionais de saúde, adotando-se posturas centradas na biossegurança. Para tanto, é necessário criar protocolos para acompanhar de perto os acidentes de trabalho com exposição aos materiais biológicos. Além disso, outra meta de suma importância e assegurar que os processos de desinfecção e esterilização sejam realmente adequados e com eficácia comprovada.




Compartilhe