Blog

Brasília tem experiência pioneira com modelo Uber de atendimento

Brasília tem experiência pioneira com modelo Uber de atendimento


A antiga noção do médico da família, que visita seus pacientes em seus lares, foi reativada em Brasília (DF), nesta semana, com o lançamento do Dokter, aplicativo de celular para consultas médicas semelhante ao Uber. Criado pelo cirurgião Marco Antonio Venturini, CEO da empresa de mesmo nome, o dispositivo já tem cerca de 2 mil clientes cadastrados utilizando o serviço, com 30 médicos disponíveis para prestar atendimento, podendo o usuário acionar um clínico geral ou pediatra. Os valores variam de R$ 200 a R$ 400 e o custo pode ser descontado no cartão de crédito. Segundo o criador do software, o objetivo é conectar médicos e pacientes em consultas domiciliares sob demanda, não atendendo casos de emergência.


Funcionando 24 horas por dia, durante toda a semana, o sistema aciona o médico que estiver mais próximo da residência do enfermo, com previsão de chegada em um prazo máximo de uma hora, a partir do instante em que o usuário fornecer sua localização ao chamar o profissional. Segundo Venturini, a diferença para o tradicional médico de família “é que agora, com um simples botão no celular, 24 horas por dia e 7 dias por semana, qualquer um poderá ter acesso imediato aos cuidados de um médico, com a tranquilidade de saber que ele mesmo ou um ente querido estará em boas mãos”.


O estreitamento das relações entre os profissionais da Medicina e os pacientes já foi abordado em nosso Blog no dia 19 de agosto de 2015: Nos EUA, modelo "Uber" de atendimento médico desafia tradicionalistas.


Modelo Uber na saúde: Ideia Luminosa


Aplicativo oferece "Modelo Uber" de consultas em BrasíliaSua ideia teve origem após passar pelo aborrecimento de ficar cinco horas aguardando em uma emergência como acompanhante de um paciente.


Marco Venturini destaca que a plataforma não obriga que o médico permaneça online, mas deseja que em sua hora vaga ele esteja alerta e disponível para prestar o serviço.


“Não queremos que ele saia de nenhum emprego ou nenhum consultório que ele esteja pra consultar”, enfatiza, acrescentando que todos os profissionais cadastrados estão devidamente registrados no Conselho Regional de Medicina.


 

Excelência no atendimento


Em seu site, o Dokter reafirma sua disposição de prestar um serviço de reconhecida excelência, procurando para isto “médicos parceiros que queiram fazer parte desta plataforma inovadora de atendimento, que proporcionará mais qualidade, conforto, reconhecimento e bem-estar para todos os envolvidos. Para os interessados, disponibiliza um link para cadastramento, onde o médico poderá preencher um formulário demonstrando seu interesse de participar da plataforma: .


Perspectivas


Após esta fase experimental em Brasília, a perspectiva é de que haja um aumento no número de profissionais, acompanhando a demanda dos pacientes e o interesse dos profissionais em aderir ao modelo Uber. Conforme dados revelados no ano passado por um estudo da Demografia Médica no Brasil, realizado por pesquisadores da Faculdade de Medicina da USP, o Brasil tem, em média, dois médicos para cada 1.000 habitantes. Embora o Distrito Federal tenha uma posição privilegiada em relação ao País, com cerca de 4,28 médicos para cada 1.000 habitantes, até mesmo nos hospitais privados, a população tem dificuldades no atendimento, enfrentando filas e longas horas nas salas de espera.


“Uberização da Saúde”


Para o Dr. Marco Venturini, o programa também poderá trazer consequências benéficas para a população, desafogando o atendimento médico em hospitais, além de garantir um padrão de qualidade para esta consulta. É o que ele chama de “Uberização da Saúde”, destacando ainda que o uso do sistema tende a beneficiar especialmente os pacientes com mais dificuldades de deslocamento até o hospital, como idosos e mães com crianças, além de pessoas com agendas muito carregadas no escritório. E conclui: “Até mesmo aqueles que estão de passagem pela Capital, a turismo ou a trabalho, e tenham necessidade de atendimento básico com um médico, vão poder utilizar o aplicativo”.




Compartilhe